Num mundo cada vez mais imprevisível e incerto, como os holandeses estão lidando com isso?

Nosso recente projeto The Next Normal: Rise of Resilience entrevistou 28.600 pessoas de idades entre 6 e 54 anos em 30 países, incluindo a Holanda. Aqui estão as principais descobertas da análise dos dados sobre os holandeses:

Os holandeses estão satisfeitos e menos ansiosos. Na Holanda, 81% declararam que estão felizes – acima da média global de 76%. Eles também estão menos estressados hoje em dia do que as pessoas ao redor do mundo (25% Holanda, 32% resto do mundo), bem como em comparação com 5 anos atrás (30% Holanda, 31% resto do mundo).

Eles se preocupam tanto quanto o resto do mundo sobre guerras e terrorismo. Os holandeses são mais pessimistas sobre preocupações globais como guerras ao redor do mundo (78% Holanda, 75% global) e terrorismo (73% Holanda e resto do mundo).

Mas são menos pessimistas sobre as questões econômicas e o crime. As questões econômicas e o crime/violência são preocupações fundamentais no mundo, e em 2012 a economia estava no topo, mas perceptivelmente menos na Holanda em 2017. Comparado com as médias globais, os holandeses têm menos propensão para se preocupar com a economia (50% de diferença), com o custo das coisas (43% de diferença), e desigualdade de renda (27% de diferença). O crime e a violência, que eram a menor das suas preocupações, estavam 46% abaixo da média global.

Eles confiam mais na polícia do que no governo. Apesar da sua relativa confiança na economia, apenas 4% dos holandeses confiam no governo (2% no mundo). Mas, alinhado com sua baixa ansiedade em relação ao crime, eles têm mais propensão do que as pessoas em outras regiões a confiar na polícia (26% Holanda, 16% resto do mundo).

Acima de tudo, eles confiam naqueles que estão próximos deles. Os holandeses confiam nas suas famílias, amigos, neles mesmos, e curiosamente nos seus médicos, mais do que as pessoas ao redor do mundo. Como em todas as partes, a mãe é a pessoa em quem eles mais confiam (74% Holanda, 71% global). Em seguida, são seus pais (61% Holanda, 56% global), melhores amigos (61% Holanda, 51% global), eles mesmos/seus próprios julgamentos (54% Holanda, 45% global), irmãos (35% Holanda, 31% global), e médicos (34% Holanda, 20% global).

O empoderamento vem com a idade na Holanda. Globalmente, 75% de todos os entrevistados relataram que se sentem empoderados, com uma pequena variação por idade. Na Holanda, este sentimento cresce com a idade – 62% das pessoas de 12 a 24 anos, 72% de pessoas de 25 a 34 anos, 77% de pessoas de 35 a 44 anos, e 79% de pessoas de 45 a 54 anos. Isso está de acordo com uma tendência geral entre os pais holandeses para deixar seus filhos serem crianças e não confrontá-los com as dificuldades do mundo cedo demais.