É inegável que a tecnologia se tornou indispensável para a vida cotidiana do australiano médio. Para as crianças nascidas nesta era, a tecnologia moldou toda sua perspectiva e elas têm dificuldade para entender um mundo sem ela. Para saber mais sobre o impacto que a tecnologia causa no desenvolvimento inicial das crianças australianas, a Viacom conduziu um estudo recentemente.

Tradicionalmente, os pais usavam uma variedade de livros e brinquedos para facilitar o aprendizado na primeira infância. Apesar de ainda existir um foco maior nas experiências off-line, as crianças de menos de 3 anos já começaram a usar aplicativos em celulares para aprendizado e entretenimento não estruturados. A tecnologia é normalmente usada para desenvolver habilidades sociais para crianças de 3 a 5 anos, mas os padrões de uso mudam para uma forma mais estrutural e de aprendizagem formal entre as crianças de 6 a 8 anos, quando o aprendizado se torna mais focado de uma forma acadêmica.

Muitas vezes, os pais se sentem insuficientes, desqualificados e com pouco tempo para apoiar o aprendizado dos seus filhos. Como resultado, muitos pais veem o aprendizado via aplicativos como uma forma de assegurar que seus filhos recebam uma educação mais abrangente. Isso não inclui apenas habilidades técnicas como codificação, que muitos pais australianos consideram essencial; os aplicativos também são um recurso para o desenvolvimento de habilidades sociais como confiança, criatividade e curiosidade. Estes fatores são especialmente valorizados pelos pais australianos, que tendem a enfatizar o aprendizado experimental e diminuir a pressão acadêmica.

Em menor grau, os pais australianos também acham atraente o potencial dos celulares de funcionar como uma espécie de babá eletrônica para as crianças. Embora as crianças às vezes tenham dificuldade com a autodisciplina e fiquem entediadas facilmente, os aplicativos de celulares oferecem conteúdo personalizado, customizado e divertido para manter as crianças entretidas.