Para os pais de hoje no mundo todo, brincar é uma maneira natural para os pré-escolares praticar as habilidades que eles precisarão na vida. Na verdade, quase 3 em cada 4 pais acreditam que seus filhos aprendem mais através de jogos. Para crianças de 2 a 5 anos hoje, os brinquedos permitem e aprimoram este aprendizado lúdico.

O mais recente estudo da Viacom sobre crianças globais e suas famílias, Little Big Kids: Pré-Escolares Prontos para a Vida, perguntou para crianças pequenas sobre seus brinquedos favoritos e para seus pais sobre sua abertura para diferentes tipos de brinquedos para seus filhos.

Brinquedos ao ar livre são os mais populares, com 72% das crianças globais brincando com eles. Em média, 76% dos pais dizem incentivar brincadeiras ao ar livre e 6 em cada 10 pais sentem que seus pré-escolares são mais felizes quando brincam ao ar livre. As crianças gastam uma média de 2.6 horas por dia brincado ao ar livre.

Artes/Artesanato e Brinquedos de Construção são as categorias mais populares, entre pré-escolares de 6 a 10 anos. Estes brinquedos desenvolvem a coordenação das crianças e promovem sua criatividade. Apesar das meninas serem mais propensas a brincar com artes/artesanato (68% garotas, 53% garotos) e meninos tenderem mais para brinquedos de construção (69% garotos, 52% garotas), é importante ter em mente que a maior parte de ambos os sexos brincam com brinquedos das duas categorias.

Quebra-cabeças e livros são uma atividade de relaxamento compartilhada com adultos. Usado principalmente como um “tempo de silêncio”, 56% dos pré-escolares fazem quebra-cabeças e 53% leem livros.

Bonecas são o brinquedo favorito mais ligado a um gênero. Entre garotas, as bonecas são o brinquedo favorito. Na verdade, 79% das meninas têm suas próprias bonecas (vs. 8% dos meninos). Brinquedos ao ar livre estão em segundo lugar para as meninas, e também são os brinquedos favoritos dos meninos. Brinquedos de construção estão em segundo lugar para os meninos.

Os pais geralmente não têm problemas com brinquedos “do sexo oposto”. Mais de 8 em cada 10 pais não têm problemas com suas filhas brincarem com o que eles consideram “brinquedos de meninos”, e 3 em cada 4 não se incomodam com seus filhos brincando com brinquedos “de menina”. No entanto, o grau de abertura depende dos pais e do país. As mães são mais abertas a este tipo de comportamento do que os pais. A Holanda, a Suécia, a Alemanha e a Austrália são os países mais abertos; as Filipinas, o Brasil, a Rússia e os Estados Unidos são os menos abertos.